Movimento antivacinas traz de volta uma doença fatal

 

Quando se fala em Sarampo, Caxumba e Coqueluche, logo nos vem à cabeça países da África ou da Ásia, onde grande parte da população não tem acesso a vacinacão e cuidados médicos. No entanto, nos últimos anos essas doenças vêm ressurgindo com força nas EUA, em alguns países da Europa e até no Brasil.

Dentre as doenças que tem voltado, os médicos, sobretudo os pediatras, estão verdadeiramente preocupados com o aumento assustador dos casos de Sarampo. A especialista em saúde global Laurie Garrett, do Council on Foreign Relations, comunicou que os níveis de vacinação para Sarampo vêm despencando. Há comunidades inteiras em que a cobertura está abaixo de 50%.

O fenômeno vem chamando a atenção de especialistas, que relacionam muitos dos surtos ao movimento antivacina, encabeçado por pais que decidem não vacinar seus filhos por motivos que incluem o temor de efeitos colaterais que prejudiquem a saúde da criança. Os especialistas atribuem o fenômeno à falta de investimento dos governos na conscientização das pessoas e, por isso, o movimento antivacinas está se expandindo pelo mundo inteiro.

 

DE ONDE VEM O MOVIMENTO ANTIVACINAS

 

Este movimento antivacinas começou com força nos EUA em 1988, quando uma revista científica de prestígio publicou um estudo que relacionava o autismo com as vacinas, investigação que foi desacreditada em múltiplas ocasiões por toda a comunidade científica. Os movimentos alegam que a imunização possui um risco alto de efeitos secundários associados e que não existem pesquisas científicas independentes capazes de provar a segurança desta prevenção.

Com isso inúmeros países do primeiro mundo registram cada vez maior o número de famílias que decidem não vacinar seus filhos. Essa tendência está causando o reaparecimento de doenças praticamente extintas, como a Rubéola e o Sarampo.

Nos EUA as autoridades de saúde têm um problema com as família que se recusam a vacinar seus filhos. O sarampo foi declarado erradicado em 2000, entretanto em 2014 surgiram 23 surtos com 668 infectados e 50 mortes. Apesar disso, segundo artigo do EI Pais, o próprio presidente da nação, Donald Trump, protege e apoia os pais que se recusam a vacinar seus fllhos, dando crédito ao movimento em várias ocasiões.

 

El País / BBC / seuhistory

 

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.

Fonte: http://diariodebiologia.com/2017/11/movimento-antivacinas/

Rua J da Penha, 55C - Aldeota
CEP: 60110-120
Fone: 85 3099.0408 | 9 9714.0260 | 9 8693.4880
contato@4saberes.com.br